novembro 11, 2021

|

A importância da cooperação internacional entre América Latina e Europa

ESCrito POR:

admin

compartilhe:

Oportunidades e casos de cooperação internacional e desenvolvimento sustentável nos países amazônicos foram mais um tema desenvolvido nesta sexta-feira (4), terceiro dia de Amazônia+21. Para tratar do assunto, foram convidados os palestrantes Ronald Hall, da Bélgica, Andrés Vargas Zurita, da Bolívia, Jaime Del Castillo, da Espanha, Javier Lossio Olavarria, do Peru, Silke Haarich, da Alemanha, e Catalina Quintero Bueno, da Colômbia. A mediação foi de Ludmila Carvalho.

O tema foi dividido em três momentos: o primeiro, para apresentação de casos de sucesso de projetos desenvolvidos na região Amazônica. O segundo, enfatizando as tendências da Europa voltadas à sustentabilidade e preservação. E o terceiro, um grande debate sobre as oportunidades de cooperação.

Iniciando as apresentações Jaime Del Castillo apresentou um projeto que engloba diversas área de regiões fronteiriças dos países que compõem a Amazônia. Segundo ele, os desafios da integração das fronteiras são a diversidade cultural, o isolamento, a alta dispersão, a fragilidade e vulnerabilidade das comunidades e as atividades ilícitas. “Nos termos de cooperação, pretende-se fortalecer e diversificar a economia familiar, os povos indígenas e as comunidades locais”, apontou.

Termos de cooperação ajudam em políticas de desenvolvimento

Javier Lossio mostrou um pouco da realidade do Peru em termos de inovação. “60% do território do País rodeia as fronteiras com outros países, com baixa densidade populacional. Tanto que nos abastecemos através de rodovias dos nossos países vizinhos”. Os termos de cooperação auxiliam algumas políticas de desenvolvimento nas áreas do turismo e de produtos locais. “Temos uma fábrica de chocolates que apresenta toda uma cadeia sustentável e os seus produtos já são vendidos na Colômbia e em cidades que fazem fronteira com o Brasil”, ressaltou.

O representante da Bolívia, Andrés Vargas, informou que o grande problema enfrentado por muitas regiões é a falta de infraestrutura, principalmente em rodovias, para escoar a produção das comunidades mais afastadas das cidades. “Temos um projeto em que as grandes beneficiárias são as mulheres da Amazônia boliviana. Através de peças de artesanato e produtos feitos com das frutas amazônicas, elas conseguem seu sustento e melhores condições de trabalho”, contou.

A colombiana Catalina Quintero, disse que a cooperação entre os países latinos com a Europa proporcionou a realização de projetos que implicam no fortalecimento das regiões menos habitadas e com um desenvolvimento mais retraído. Esses projetos passam a ser inseridos dentro da agenda 2030, plano de ação que busca acabar com a pobreza e a fome, proteger o planeta da degradação e promover sociedades pacíficas, justas e inclusivas.

Tendências europeias para o desenvolvimento sustentável

Silke Haarich, pesquisadora da Alemanha, apresentou o projeto Inonvact, que já atua em diversas regiões da América Latina, e colabora para solucionar problemas relacionados à infraestrutura, saúde e comércio. Ela citou um trabalho efetuado na região de Itaipu, que congrega a fronteira Brasil, Paraguai e Argentina “Buscamos articular os serviços para aliar aos planos de sustentabilidade dos três países”, comentou.

O sueco Ronald Hall disse que existem dentro das políticas europeias um programa de cooperação internacional urbana que auxilia e presta consultoria a diversos países. “Apresentamos sistemas de inovação e trabalhamos em parceria. No Brasil, por exemplo, atuamos em diversas regiões, e o trabalho de cooperação urbana inclui uma agenda verde, que garante a melhoria da qualidade de vida dos seus habitantes”, contou.

Amazônia + 21

O Fórum Amazônia + 21 é uma iniciativa para mapear perspectivas e buscar soluções para temas relacionados ao desenvolvimento da região e melhoria da qualidade de vida dos mais de 20 milhões de cidadãos que vivem na Amazônia Legal. O programa é uma realização da FIERO, Prefeitura de Porto Velho, através da ADPVH, com correalização da CNI e Instituto Euvaldo Lodi (IEL).

Os debates sobre os desafios e as soluções para a Amazônia acontecem a partir de quatro eixos temáticos: negócios sustentáveis, cultura, financiamento dos programas e ciência, tecnologia e inovação. Para participar, inscreva-se gratuitamente no site amazonia21.org. O evento conta com tradução simultânea em inglês e espanhol e acontece até o dia 6 de novembro. Todas as palestras ficam gravadas no canal do Youtube da CNI, e a cobertura completa de todos os debates pode ser acompanhada na página do Amazônia+21.

mantenha-se atualizado